DAE ou GNRE – Entenda Sobre os Documentos de Arrecadação

DAE ou GNRE – Entenda Sobre os Documentos de Arrecadação

Saiba mais sobre GNRE. A apuração de impostos é o conjunto de ações e procedimentos que visam apurar e conciliar a geração de tributos de um negócio, garantindo que a empresa cumpra todas as obrigações perante o Fisco. Através dessa apuração é possível identificar se a empresa terá impostos a recolher, que são os impostos a pagar em favor do governo, ou impostos a recuperar, onde o montante de créditos foram superiores aos débitos e podem ser usados como desconto no pagamento dos próximos impostos, devendo ser da mesma natureza, salvo disposição legal contrária. Os Documentos de Arrecadação ou Guias, são utilizados para pagar e/ou recolher esses impostos e taxas, e é um dos principais instrumentos de recolhimento de tributos ao governo. Sendo assim, seu uso é obrigatório no dia a dia de pessoas físicas e empresas. Quais são os principais tipos de impostos: Cada ente, Federal, estadual e Municipal possui a competência para regular o recolhimento dos impostos ao poder público, logo, as guias variam de acordo com a competência do imposto a ser apurado. Municipal – Responsável por alguns impostos e taxas, como o ISS (Imposto sobre Serviços) e o IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano), e as guias de pagamento desses tributos podem ser emitidas pelo portal da Prefeitura de cada cidade. Federal – O Documento de Arrecadação de Receitas (DARF) é usado para os pagamentos de receitas federais pelas pessoas físicas e jurídicas (IRPJ, PIS/PASEP, CSLL, COFINS, IPI), exceto para as pessoas jurídicas optantes pelo Simples Nacional. Estadual – Impostos como o ICMS e o IPVA, são recolhidos através do DAE- Documento de Arrecadação Estadual,...
ECF- Prorrogação do Prazo de Entrega da Escrituração Contábil Fiscal

ECF- Prorrogação do Prazo de Entrega da Escrituração Contábil Fiscal

Publicado em 15/07/2020 ECF – Ano-calendário 2019 e Situações Especiais de Janeiro a abril de 2020. Hoje, foi publicada a Instrução Normativa RFB nº 1.965/2020, que trata da prorrogação do prazo de entrega da Escrituração Contábil Fiscal (ECF) referente ao ano-calendário 2019 e a situações especiais de janeiro a abril de 2020. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1.965, DE 13 DE JULHO DE 2020 Prorroga o prazo de apresentação da Escrituração Contábil Fiscal (ECF) referente ao ano-calendário de 2019 e referente aos casos de extinção, cisão parcial, cisão total, fusão ou incorporação ocorridos no período entre janeiro e abril do ano-calendário de 2020. O SECRETÁRIO ESPECIAL DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL, no uso da atribuição que lhe confere o inciso III do art. 327 do Regimento Interno da Secretaria Especial da Receita Federal do Brasil, aprovado pela Portaria MF nº 430, de 9 de outubro de 2017, e tendo em vista o disposto no inciso I do caput e nos §§ 2º e 3º do art. 8º do Decreto-Lei nº 1.598, de 26 de dezembro de 1977, no § 3º do art. 11 da Lei nº 8.218, de 29 de agosto de 1991, no art. 16 da Lei nº 9.779, de 19 de janeiro de 1999, no art. 2º do Decreto nº 6.022, de 22 de janeiro de 2007, e no art. 3º da Instrução Normativa RFB nº 1.422, de 19 de dezembro de 2013, resolve: Art. 1º O prazo para transmissão da Escrituração Contábil Fiscal (ECF) previsto no caput do art. 3º da Instrução Normativa RFB nº 1.422, de 19 de dezembro de 2013, referente ao ano-calendário de 2019, originalmente...
BPO Fiscal- Solução Agora e Pós Pandemia

BPO Fiscal- Solução Agora e Pós Pandemia

Estamos vivendo um período de crise e grandes incertezas no mundo, com isso, surge a necessidade das empresas se adaptarem a este novo cenário e iniciarem um planejamento para a etapa de retomada das atividades. A área fiscal e tributária, foi uma das mais afetadas pela pandemia, com as datas para entrega das obrigações fiscais postergadas, ajustes de orçamento, retenção de custos, pessoal em home office, atividades remanejadas, entre outros imprevistos, fazendo com que as empresas tomassem ações emergenciais para minimizar ao máximo o impacto em seus resultados. Ninguém sabe dizer com certeza quando será a retomada total da economia, mas podemos garantir que as empresas precisarão de ferramentas estratégicas e um bom planejamento para “arrumar a casa”, e fazer as atividades girarem de forma eficiente e dinâmica. Neste material, vamos mostrar como o BPO Fiscal é um serviço que irá te ajudar agora e nos pós pandemia. Principais desafios para o setor fiscal pós pandemia Com o decreto de isolamento social, muitas empresas tiveram que aderir ao home office repentinamente, em alguns casos a jornada de trabalho foi reduzida e nos cenários mais extremos, devido a queda no faturamento, muitos profissionais foram demitidos. A grande maioria dos gestores fiscais não estavam preparados para esta situação, muitas organizações ainda contam com processos manuais para atividades como entrada e saída de notas fiscais e outros registros. Portanto um grande desafio é fazer o departamento funcionar com um time reduzido em pessoas ou em jornada, com uma serie de processos manuais, documentos em papel e com limitação de acesso aos sistemas das empresas. Com a retomada do mercado, as empresas junto...