[LUCRO PRESUMIDO e SIMPLES NACIONAL] Descomplicando o Planejamento Fiscal

[LUCRO PRESUMIDO e SIMPLES NACIONAL] Descomplicando o Planejamento Fiscal

  Lucro presumido, Simples Nacional e Lucro Real, para toda empresa que está em crescimento constante, mais cedo ou mais tarde, acaba chegando o momento onde precisará fazer o planejamento fiscal e mudar seu regime de tributação. É fundamental levantar essas informações antes de dar o primeiro passo para o planejamento tributário do negócio. Além de coletar dados importantes sobre o seu negócio, essas informações serão úteis na prática do planejamento, lembrando que a prática do planejamento pode ocorrer á qualquer momento do ano letivo, porém no mês de Janeiro se faz necessário por conta da escolha do regime de tributação. Pensando nisso, construímos abaixo um material esclarecedor, para que você consiga fazer a transição de regimes da forma mais adequada possível. O que é Planejamento Fiscal e quando devo fazer? Em regra geral, podemos considerar que o planejamento tributário é um método licito que tem o propósito de proporcionar economia de tributos, vale dizer, tendo como motivo a eliminação, a redução ou a postergação dos tributos. Usando como fonte de sabedoria os ensinamentos da Young 1, existem três tipos de planejamento tributário, os quais podem serem utilizados em diversos períodos do ano.   Planejamento Tributário Preventivo Desenvolvido continuamente por meio de orientações e manuais de procedimentos, especialmente nas atividades de cumprimento das obrigações principais e acessórias. Planejamento Tributário Corretivo Ocorre quando é detectado alguma anormalidade e, então, realiza-se o estudo de alternativas para as correções das inconsistências identificadas. Planejamento Tributário Especial Ocorre em função de determinados fatos que impactam diretamente a operação da empresa, tais como abertura de filais, lançamentos de novos produtos, aquisição e/ou alienação da empresa...
COMPLIANCE FISCAL – Como a tecnologia pode ajudar o contas a pagar.

COMPLIANCE FISCAL – Como a tecnologia pode ajudar o contas a pagar.

  O compliance tributário e os processos de contas a pagar possuem uma relação muito íntima. Com tantos tributos que devem ser recolhidos pelas empresas brasileiras, é impossível não falarmos sobre o recolhimento eficiente – com os valores corretos e dentro dos prazos definidos pela legislação. Basta um pequeno descuido para que um prazo seja perdido. E as consequências disso podem rapidamente se tornar graves: juros, multas e outras penalidades aplicadas pelo Fisco. Isso sem falarmos do estresse gerado dentro dos setores fiscais e financeiro da organização. Levando em conta todo esse contexto, a tecnologia vem se tornando a grande aliada dos gestores. O uso de soluções digitais inteligentes permite a integração entre compliance tributário e contas a pagar – eliminando erros humanos e garantindo o recolhimento de todos os impostos dentro do prazo. Quer entender melhor como a tecnologia pode ajudar a integrar contas a pagar e compliance tributário? Confira ao longo deste artigo.   Benefícios de utilizar a tecnologia no setor de contas a pagar   A automação desempenha um papel significativo na otimização dos processos financeiros. Contas a pagar é um processo financeiro vital para qualquer empresa. Este departamento é frequentemente inundado com uma quantidade considerável de papelada que pode envolver verificação, comparação com outros documentos, processos de aprovação, liberação. Além da administração dos pagamentos em diversos bancos, com tokens, senhas e acessos diferentes. Qualquer discrepância no processamento de pedidos de contas a pagar pode ter um impacto em muitas unidades de negócios diferentes. Um pequeno erro pode até mesmo gerar grandes prejuízos financeiros e demissões devido às consequências. A introdução da automação no processo de...
O Impacto Da Transformação Digital na Gestão Fiscal e Tributária.

O Impacto Da Transformação Digital na Gestão Fiscal e Tributária.

  A transformação digital tributária, é a digitalização crescente que não contempla apenas as empresas, se dá no âmbito governamental, e exige adaptações por parte do mundo corporativo, já que as empresas podem ter de alterar a forma que utilizam a tecnologia para fins de uma boa gestão fiscal e por conseqüência um planejamento tributário mensal. A grande mudança na rotina dos profissionais que atuam na área fiscal pode ser facilmente observada, com o projeto do Sistema Público de Escrituração Digital (SPED), que eliminou grande parte da papelada que o departamento fiscal tinha mediante aos livros fiscais impressos. Agora, atender aos prazos do Fisco por meio dos programas validadores digitais integradas às plataformas do governo, o que aumenta sua capacidade analítica e estratégica do profissional. Trataremos sobre esse assunto neste artigo. Continue lendo para entender a importância das inovações digitais na área tributária.   Entenda o Cenário Atual da Transformação Digital e Gestão Tributária   O sistema tributário brasileiro é um dos mais complexos e extensos do mundo. Existem dezenas de tributos e cada um deles tem suas próprias bases de cálculo, alíquotas, regras e particularidades. Além disso, as numerosas obrigações acessórias elevam os custos do setor tributário e aumentam os riscos de a empresa cometer erros em seu cumprimento, visto que existem obrigações acessórias nas esferas: Municipais, Estaduais e Federais. O Governo modernizou sua fiscalização com a implementação do Sistema Público de Escrituração Digital (SPED), conforme a Receita, gerando um aumento de 48,67% no número de autuações. Mas os gestores também podem utilizar a transformação digital a seu favor para reduzir seus riscos. As empresas estão despertando para...
REFORMA TRIBUTÁRIA- Sua Empresa Está Preparada?

REFORMA TRIBUTÁRIA- Sua Empresa Está Preparada?

  A primeira parte da proposta de reforma tributária encaminhada pelo governo prevê a unificação do PIS e da Cofins (incidente sobre a receita, folha de salários e importação), e a criação de um novo tributo sobre valor agregado, com o nome de Contribuição Social sobre Operações com Bens e Serviços (CBS). O assunto sobre a reforma tributária faz parte do cotidiano de contadores e profissionais da área tributária, pois suas atividades são direta e fortemente impactadas pela reforma tributária. Nesse artigo, vamos apresentar os pontos mais importantes sobre a reforma tributária e qual a sua proposta.   O que é a Contribuição Social sobre Operações com Bens e Serviços – CBS? A Contribuição Social sobre Operações com Bens e Serviços (CBS) é um tributo que está sendo proposto pelo governo federal, para substituir cinco tributos federais existentes atualmente. Não se trata de um tributo a mais, mas de uma consolidação de cinco tributos em um só. A CBS incide sobre operações de venda de bens e prestação de serviços no mercado interno e sobre a operação de importação de bens e serviços. Os impostos que irão ser substituídos e extintos são: Contribuição para o PIS/Pasep incidente sobre a receita; Contribuição para o PIS/Pasep incidente sobre a folha de salários; Cofins; Contribuição para o PIS/Pasep-Importação; Cofins-Importação.   Quais as Principais Diretrizes Consideradas na Estruturação da CBS? A CBS foi estruturada com base em padrões internacionais de tributos sobre valor agregado, especialmente aqueles propostos pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Resumidamente as premissas da CBS são: Incidência ampla sobre o consumo, então a tributação das operações com...
ICMS – Novas Regras de Tributação para Marketplace e Como se Adequar.

ICMS – Novas Regras de Tributação para Marketplace e Como se Adequar.

  O marketplace e o mercado virtual brasileiro está em crescimento, embora ainda existam muitos desafios tributários para serem vencidos. Ao falarmos sobre ICMS e tributação para marketplaces, algumas novas regras nos estados precisaram ser editadas para as atividades de vendas online, por isso empresários e profissionais do segmento buscam alternativas para se adequar às novas exigências para continuar vendendo online. Nesse artigo iremos entender sobre as mudanças e esclarecer todas as questões sobre o tema.   Qual a Tributação para Marketplace?   Primeiramente, a tributação para o marketplace é somente sobre a porcentagem cobrada pela intermediação da venda do produto ou serviço. Para saber qual a tributação para marketplace de serviços é necessário definir o CNAE (Classificação Nacional de Atividades Econômicas) da empresa. Assim como também o Regime Tributário que melhor se adequa, a incidência dos impostos dependerá do regime tributário do negócio que são eles: Simples Nacional; Lucro Presumido; Lucro Real. É muito importante saber o quanto sua empresa fatura por ano, pois isso servirá de referência para o enquadramento tributário. Por exemplo, se seu faturamento é de até R$ 3,6 milhões por ano, terá a opção do regime tributário pelo Simples Nacional, em que os impostos são simplificados em uma única guia com alíquotas diferenciadas. Caso, o faturamento seja maior do limite estabelecido ao do Simples Nacional, outros regimes tributários podem coincidir, com um maior grau de complexidade no recolhimento dos impostos. O importante é estar atento ao faturamento anual do seu negócio, para identificar se ultrapassa ou não o teto do regime tributário simplificado.   E Quando Se Trata do ICMS?   O ICMS –...
O Novo Profissional Fiscal e Tributário

O Novo Profissional Fiscal e Tributário

  Há algum tempo, quando buscávamos por um profissional da área fiscal e tributário, ou mesmo pensávamos em como construir um currículo, normalmente estávamos falando em cumprir pré-requisitos acadêmicos. Algumas profissões inclusive, já não exigem faculdade e talvez esta seja uma tendência que também alcançará o departamento fiscal. Fato é que o desempenho do profissional não está atrelado ao curso que estudou. A primeira mudança é a remodelação organizacional (mudanças de processos e cultura), iniciando pelo profissional e a organização empresarial. Antes o departamento fiscal e tributário era visto da seguinte forma: emissor de notas fiscais, registros e elaboração de guias. Porém o cenário hoje é totalmente diferente. Hoje o profissional da área tem como responsabilidade: Garantir o cumprimento das regras de Compliance (Normas internas e perante o Fisco); Acompanhamento constante da legislação tributária; Reflexos e impactos nas alterações da empresa; Analise e certificação das operações da empresa; Cruzamento de informações – certificação das informações fiscais; Mitigação de riscos e prevenção a autuações fiscais; Implantação de procedimentos (controles) fiscais (normas internas); Análise impacto do custo tributário na atividade da empresa; Consultoria (provedor de informações); Suporte para decisões estratégicas (estrutura de operações e aquisições); Prestar informações corretas em auditorias e às autoridades fazendárias; Planejamento Tributário (alternativas para minimizar o custo tributário, otimização de recursos); E desenvolver um bom relacionamento interpessoal com os demais departamentos da organização. Tendo em vista tais mudanças, o modelo moderno da área tributária compõe: Planejamento tributário; Faturamento; Recebimento; Departamento fiscal; Gestão Tributária. Vejo que algumas características são bem importantes para a formação desse novo profissional. Cito abaixo algumas delas, sem a intenção de ser taxativa: Tecnologia:...