O Impacto Da Transformação Digital na Gestão Fiscal e Tributária.

O Impacto Da Transformação Digital na Gestão Fiscal e Tributária.

  A transformação digital tributária, é a digitalização crescente que não contempla apenas as empresas, se dá no âmbito governamental, e exige adaptações por parte do mundo corporativo, já que as empresas podem ter de alterar a forma que utilizam a tecnologia para fins de uma boa gestão fiscal e por conseqüência um planejamento tributário mensal. A grande mudança na rotina dos profissionais que atuam na área fiscal pode ser facilmente observada, com o projeto do Sistema Público de Escrituração Digital (SPED), que eliminou grande parte da papelada que o departamento fiscal tinha mediante aos livros fiscais impressos. Agora, atender aos prazos do Fisco por meio dos programas validadores digitais integradas às plataformas do governo, o que aumenta sua capacidade analítica e estratégica do profissional. Trataremos sobre esse assunto neste artigo. Continue lendo para entender a importância das inovações digitais na área tributária.   Entenda o Cenário Atual da Transformação Digital e Gestão Tributária   O sistema tributário brasileiro é um dos mais complexos e extensos do mundo. Existem dezenas de tributos e cada um deles tem suas próprias bases de cálculo, alíquotas, regras e particularidades. Além disso, as numerosas obrigações acessórias elevam os custos do setor tributário e aumentam os riscos de a empresa cometer erros em seu cumprimento, visto que existem obrigações acessórias nas esferas: Municipais, Estaduais e Federais. O Governo modernizou sua fiscalização com a implementação do Sistema Público de Escrituração Digital (SPED), conforme a Receita, gerando um aumento de 48,67% no número de autuações. Mas os gestores também podem utilizar a transformação digital a seu favor para reduzir seus riscos. As empresas estão despertando para...
REFORMA TRIBUTÁRIA- Sua Empresa Está Preparada?

REFORMA TRIBUTÁRIA- Sua Empresa Está Preparada?

  A primeira parte da proposta de reforma tributária encaminhada pelo governo prevê a unificação do PIS e da Cofins (incidente sobre a receita, folha de salários e importação), e a criação de um novo tributo sobre valor agregado, com o nome de Contribuição Social sobre Operações com Bens e Serviços (CBS). O assunto sobre a reforma tributária faz parte do cotidiano de contadores e profissionais da área tributária, pois suas atividades são direta e fortemente impactadas pela reforma tributária. Nesse artigo, vamos apresentar os pontos mais importantes sobre a reforma tributária e qual a sua proposta.   O que é a Contribuição Social sobre Operações com Bens e Serviços – CBS? A Contribuição Social sobre Operações com Bens e Serviços (CBS) é um tributo que está sendo proposto pelo governo federal, para substituir cinco tributos federais existentes atualmente. Não se trata de um tributo a mais, mas de uma consolidação de cinco tributos em um só. A CBS incide sobre operações de venda de bens e prestação de serviços no mercado interno e sobre a operação de importação de bens e serviços. Os impostos que irão ser substituídos e extintos são: Contribuição para o PIS/Pasep incidente sobre a receita; Contribuição para o PIS/Pasep incidente sobre a folha de salários; Cofins; Contribuição para o PIS/Pasep-Importação; Cofins-Importação.   Quais as Principais Diretrizes Consideradas na Estruturação da CBS? A CBS foi estruturada com base em padrões internacionais de tributos sobre valor agregado, especialmente aqueles propostos pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Resumidamente as premissas da CBS são: Incidência ampla sobre o consumo, então a tributação das operações com...
ICMS – Novas Regras de Tributação para Marketplace e Como se Adequar.

ICMS – Novas Regras de Tributação para Marketplace e Como se Adequar.

  O marketplace e o mercado virtual brasileiro está em crescimento, embora ainda existam muitos desafios tributários para serem vencidos. Ao falarmos sobre ICMS e tributação para marketplaces, algumas novas regras nos estados precisaram ser editadas para as atividades de vendas online, por isso empresários e profissionais do segmento buscam alternativas para se adequar às novas exigências para continuar vendendo online. Nesse artigo iremos entender sobre as mudanças e esclarecer todas as questões sobre o tema.   Qual a Tributação para Marketplace?   Primeiramente, a tributação para o marketplace é somente sobre a porcentagem cobrada pela intermediação da venda do produto ou serviço. Para saber qual a tributação para marketplace de serviços é necessário definir o CNAE (Classificação Nacional de Atividades Econômicas) da empresa. Assim como também o Regime Tributário que melhor se adequa, a incidência dos impostos dependerá do regime tributário do negócio que são eles: Simples Nacional; Lucro Presumido; Lucro Real. É muito importante saber o quanto sua empresa fatura por ano, pois isso servirá de referência para o enquadramento tributário. Por exemplo, se seu faturamento é de até R$ 3,6 milhões por ano, terá a opção do regime tributário pelo Simples Nacional, em que os impostos são simplificados em uma única guia com alíquotas diferenciadas. Caso, o faturamento seja maior do limite estabelecido ao do Simples Nacional, outros regimes tributários podem coincidir, com um maior grau de complexidade no recolhimento dos impostos. O importante é estar atento ao faturamento anual do seu negócio, para identificar se ultrapassa ou não o teto do regime tributário simplificado.   E Quando Se Trata do ICMS?   O ICMS –...
O Novo Profissional Fiscal e Tributário

O Novo Profissional Fiscal e Tributário

  Há algum tempo, quando buscávamos por um profissional da área fiscal e tributário, ou mesmo pensávamos em como construir um currículo, normalmente estávamos falando em cumprir pré-requisitos acadêmicos. Algumas profissões inclusive, já não exigem faculdade e talvez esta seja uma tendência que também alcançará o departamento fiscal. Fato é que o desempenho do profissional não está atrelado ao curso que estudou. A primeira mudança é a remodelação organizacional (mudanças de processos e cultura), iniciando pelo profissional e a organização empresarial. Antes o departamento fiscal e tributário era visto da seguinte forma: emissor de notas fiscais, registros e elaboração de guias. Porém o cenário hoje é totalmente diferente. Hoje o profissional da área tem como responsabilidade: Garantir o cumprimento das regras de Compliance (Normas internas e perante o Fisco); Acompanhamento constante da legislação tributária; Reflexos e impactos nas alterações da empresa; Analise e certificação das operações da empresa; Cruzamento de informações – certificação das informações fiscais; Mitigação de riscos e prevenção a autuações fiscais; Implantação de procedimentos (controles) fiscais (normas internas); Análise impacto do custo tributário na atividade da empresa; Consultoria (provedor de informações); Suporte para decisões estratégicas (estrutura de operações e aquisições); Prestar informações corretas em auditorias e às autoridades fazendárias; Planejamento Tributário (alternativas para minimizar o custo tributário, otimização de recursos); E desenvolver um bom relacionamento interpessoal com os demais departamentos da organização. Tendo em vista tais mudanças, o modelo moderno da área tributária compõe: Planejamento tributário; Faturamento; Recebimento; Departamento fiscal; Gestão Tributária. Vejo que algumas características são bem importantes para a formação desse novo profissional. Cito abaixo algumas delas, sem a intenção de ser taxativa: Tecnologia:...
DAE ou GNRE – Entenda Sobre os Documentos de Arrecadação

DAE ou GNRE – Entenda Sobre os Documentos de Arrecadação

Saiba mais sobre GNRE. A apuração de impostos é o conjunto de ações e procedimentos que visam apurar e conciliar a geração de tributos de um negócio, garantindo que a empresa cumpra todas as obrigações perante o Fisco. Através dessa apuração é possível identificar se a empresa terá impostos a recolher, que são os impostos a pagar em favor do governo, ou impostos a recuperar, onde o montante de créditos foram superiores aos débitos e podem ser usados como desconto no pagamento dos próximos impostos, devendo ser da mesma natureza, salvo disposição legal contrária. Os Documentos de Arrecadação ou Guias, são utilizados para pagar e/ou recolher esses impostos e taxas, e é um dos principais instrumentos de recolhimento de tributos ao governo. Sendo assim, seu uso é obrigatório no dia a dia de pessoas físicas e empresas. Quais são os principais tipos de impostos: Cada ente, Federal, estadual e Municipal possui a competência para regular o recolhimento dos impostos ao poder público, logo, as guias variam de acordo com a competência do imposto a ser apurado. Municipal – Responsável por alguns impostos e taxas, como o ISS (Imposto sobre Serviços) e o IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano), e as guias de pagamento desses tributos podem ser emitidas pelo portal da Prefeitura de cada cidade. Federal – O Documento de Arrecadação de Receitas (DARF) é usado para os pagamentos de receitas federais pelas pessoas físicas e jurídicas (IRPJ, PIS/PASEP, CSLL, COFINS, IPI), exceto para as pessoas jurídicas optantes pelo Simples Nacional. Estadual – Impostos como o ICMS e o IPVA, são recolhidos através do DAE- Documento de Arrecadação Estadual,...
BPO Fiscal- Solução Agora e Pós Pandemia

BPO Fiscal- Solução Agora e Pós Pandemia

Estamos vivendo um período de crise e grandes incertezas no mundo, com isso, surge a necessidade das empresas se adaptarem a este novo cenário e iniciarem um planejamento para a etapa de retomada das atividades. A área fiscal e tributária, foi uma das mais afetadas pela pandemia, com as datas para entrega das obrigações fiscais postergadas, ajustes de orçamento, retenção de custos, pessoal em home office, atividades remanejadas, entre outros imprevistos, fazendo com que as empresas tomassem ações emergenciais para minimizar ao máximo o impacto em seus resultados. Ninguém sabe dizer com certeza quando será a retomada total da economia, mas podemos garantir que as empresas precisarão de ferramentas estratégicas e um bom planejamento para “arrumar a casa”, e fazer as atividades girarem de forma eficiente e dinâmica. Neste material, vamos mostrar como o BPO Fiscal é um serviço que irá te ajudar agora e nos pós pandemia. Principais desafios para o setor fiscal pós pandemia Com o decreto de isolamento social, muitas empresas tiveram que aderir ao home office repentinamente, em alguns casos a jornada de trabalho foi reduzida e nos cenários mais extremos, devido a queda no faturamento, muitos profissionais foram demitidos. A grande maioria dos gestores fiscais não estavam preparados para esta situação, muitas organizações ainda contam com processos manuais para atividades como entrada e saída de notas fiscais e outros registros. Portanto um grande desafio é fazer o departamento funcionar com um time reduzido em pessoas ou em jornada, com uma serie de processos manuais, documentos em papel e com limitação de acesso aos sistemas das empresas. Com a retomada do mercado, as empresas junto...